A doença de Parkinson é uma das doenças neurodegenerativas mais comuns, mas ainda não tem cura.

A cannabis tem se mostrado como um tratamento promissor.

(Imagem: reprodução Parkinson’s News Today)

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 10 milhões de pessoas sofrem com a doença de Parkinson.

Mesmo depois de um século de sua descoberta, ainda não há cura conhecida para esta condição, que acaba diminuindo a qualidade de vida dos pacientes com Parkinson.

Vários tratamentos modernos foram desenvolvidos, incluindo terapia com dopamina, cirurgia e até estimulação cerebral profunda para curar a área afetada no cérebro.

O problema com esses tratamentos, que geralmente envolvem medicamentos farmacêuticos, é que eles acabam trazendo efeitos colaterais indesejados.

Esses medicamentos destinam-se principalmente a aumentar os níveis de dopamina, uma vez que os sintomas do Parkinson ocorrem quando os níveis de dopamina caem muito. Embora os pacientes de Parkinson apresentem sintomas diferentes, os medicamentos comuns usados ​​são todos os mesmos; estes incluem Levodopa, agonistas da dopamina, anticolinérgicos, antagonistas do glutamato, inibidores da COMT e inibidores da MAO-B.

Felizmente, mais pacientes estão encontrando esperança nos medicamentos à base de cannabis.

O que dizem os estudos

Em 2021, uma pesquisa realizada entre pacientes com doença de Parkinson na Alemanha analisou o impacto da cannabis como tratamento.

Os resultados, que foram publicados no Journal of Parkinson’s Disease, relataram que mais da metade dos pacientes reconhecem resultados clínicos positivos (54%).

Mais de 40% disse que a maconha era eficaz no controle de cãibras e dores musculares, enquanto mais de 20% disseram que ajudava a reduzir a rigidez, ansiedade, tremores, congelamento e pernas inquietas.

Em uma outra pesquisa, de 2022, realizada entre 1.881 pacientes com doença de Parkinson, pesquisadores do Campus Médico da Universidade do Colorado analisaram os sintomas e o consumo de medicamentos prescritos após a administração da cannabis.

Os dados revelaram que os entrevistados encontraram os maiores benefícios da cannabis nas áreas de dor, sono, ansiedade e agitação após o uso da cannabis ou CBD.

Pacientes que também estavam usando THC de alta potência relataram melhorias na depressão, tremores, apetite e náusea, embora descobrissem que piorava a bradicinesia, um sintoma de Parkinson associado a movimentos lentos. Assim como em outros estudos, muitos entrevistados disseram que a cannabis foi eficaz em ajudá-los a interromper os medicamentos prescritos, especialmente aqueles usados ​​​​para ansiedade e dor.

Além disso, os autores concluíram: “Em resumo, as pessoas com doença de Parkinson (DP) relatam que a cannabis melhora subjetivamente alguns sintomas relacionados à DP, com produtos com maiores concentrações de THC conferindo benefícios mais frequentes do que produtos com mais CBD”.

“Os próximos passos devem incluir estudos mais rigorosos e controlados, a partir destes resultados, para estudar mais objetivamente os efeitos de diferentes tipos de cannabis nos sintomas da DP, bem como o impacto dos diferentes métodos de ingestão e doses específicas”, escreveram.

Com o retorno positivo dos pacientes, a cannabis se mostra promissora como uma alternativa natural aos medicamentos atuais para Parkinson.

Como mencionado, mais estudos precisam ser feitos, mas os resultados preliminares já são favoráveis.

Fonte: The Fresh Toast

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.