Mesmo com a maconha legalizada, algumas/alguns consumidoras/consumidores ainda preferem as fontes ilegais habituais, principalmente por serem mais baratas e, em alguns casos, mais fáceis de acessar.

Uma pesquisa realizada no Canadá e nos Estados Unidos apontou que uma parte [email protected] [email protected] de cannabis continuam comprando a erva de fontes ilegais, mesmo depois de um bom tempo da regulamentação, ou seja, mesmo depois do mercado legal estar estabelecido e terem a possibilidade de comprar legalmente.

No Canadá, por exemplo, a maconha foi legalizada em 2018, mas em 2020 cerca de metade de toda a cannabis usada no país ainda estava sendo obtida ilegalmente.

As principais explicações são porque as fontes ilegais são mais baratas e mais fáceis de acessar.

As descobertas sugerem que os formuladores de políticas que desejam acabar com o mercado ilegal de cannabis precisam garantir que novas fontes legais tenham preços competitivos e estejam amplamente disponíveis.

Mercado ilegal x mercado legal

O uso recreativo (além do medicinal e industrial) já é legal no Uruguai há nove anos, no Canadá há quatro anos – países pioneiros em regulamentar todos os aspectos da planta.

Nos Estados Unidos, 21 estados legalizaram todos os usos da maconha, sendo que Califórnia e Washington completaram dez anos de legalização do uso recreativo.

Um dos principais motivos que incentivaram a legalização nestes locais é a retirada do comércio de cannabis das mãos do tráfico, além de garantir maior segurança para @s [email protected] (já que a população teria acesso à erva em locais destinados para tanto, diminuindo o contato com outras drogas; também teria acesso a maconha de qualidade, com medidas de controle das especificações da planta; e diminuiria o acesso de menores de idade à maconha, já que as lojas regulamentadas não podem vender para menores).

Porém, nem todos @s [email protected] optam por comprar nessas lojas, o que faz com que o mercado ilegal permaneça ”firme e forte”.

A pesquisa, com quase 12.000 usuários de cannabis no Canadá e nos EUA, descobriu que o preço era o motivo mais comum para comprar maconha ilegal, citado por cerca de 35% dos usuários no Canadá e 27% nos EUA. A conveniência foi o segundo fator mais comum, citado por 17% a 20% dos entrevistados em ambos os países.

A pesquisa foi realizada em 2019 e 2020. Em 2020, o preço médio da cannabis legal no Canadá era de US$ 8,04 por grama, em comparação com US$ 6,45 para a maconha ilegal, mas a diferença de preço vem diminuindo desde 2018 e os preços em 2021 foram de US$ 6,63 e $ 5,52, respectivamente, de acordo com um estudo separado.

Isso ocorre porque o número de lojas que vendem cannabis legal tem aumentado nos últimos quatro anos, disse à New Scientist, David Hammond, da Universidade de Waterloo, em Ontário, Canadá. “Isso é apenas uma questão de colocar o mercado em funcionamento. Agora há mais concorrência de preços.”

Steve Rolles, da Transform Drugs Policy Foundation, uma instituição pró-legalização no Reino Unido, explica sobre a lealdade e hábito de [email protected] aos traficantes: “existe um sistema de abastecimento estabelecido que não desaparece da noite para o dia”.

Fonte: New Scientist

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.