A maconha serviu de inspiração para canções de rock, hip-hop, rap, pop, reggae, samba, e segue influenciando composições.

Mesmo com a proibição, censura e repressão, bandas e músicos nacionais fizeram história cantando sobre a planta.

Preparamos uma lista com algumas composições marcantes sobre a ganja (nacionais e internacionais):

1. Malandragem dá um tempo (Bezerra da Silva)

O carioca Bezerra da Silva tem algumas composições que fazem referência à maconha, mas uma que ficou bastante conhecida e ainda é cantada através de gerações é ”Malandragem dá um tempo”. 

A canção, que dá nome ao seu álbum de 1986, é um samba que canta o famoso verso: ”Vou apertar / mas não vou acender agora / E se segura malandro / pra fazer a cabeça tem hora”. 

2. Queimando tudo (Planet Hemp)

É difícil escolher apenas uma música do Planet Hemp sobre a erva. 

Diversas canções da banda sobre o tema fizeram história. ”Legalize já” é quase um hino brasileiro em prol da maconha. 

Mas uma das músicas mais reverenciadas do Planet Hemp sobre o tema é ”Queimando Tudo”. O refrão é marcante e está no inconsciente popular dos canabistas brasileiros: ”Eu continuo queimando tudo até a última ponta”. 

3. Cachimbo da Paz (Gabriel o Pensador)

”Cachimbo da Paz” se tornou uma música emblemática na cena canábica não apenas por falar sobre maconha, mas por trazer várias questões relacionadas ao proibicionismo e à cultura que existe em torno da planta. 

A música, composta por Gabriel o Pensador e Lulu Santos (sob o pseudônimo ”Bollado), marcou gerações e até ganhou prêmios.

Considerada uma das músicas mais famosas do rapper, Cachimbo da Paz fez história com seus versos. Impossível não cantar junto ”Acende, puxa, prende, passa / Índio quer cachimbo / Índio quer fazer fumaça”. 

4. A Feira (O Rappa)

Lançada em 1996, ”A Feira” fez (e ainda faz) parte do repertório de muitos brasileiros. A letra trata da ganja e do comércio ilegal. 

”A Feira” foi muito tocada nas rádios à época que foi lançada e a letra é quase inesquecível:

”Tô vendendo ervas / que curam e acalmam / tô vendendo ervas / que aliviam e temperam / mas eu não sou autorizado / quando o rappa chega / eu quase sempre escapo / quem me fornece / é que ganha mais / a clientela é vasta / eu sei! / Porque os remédios normais / nem sempre / amenizam a pressão”.

5. Sábado de Sol (Mamonas Assassinas)

A banda, bastante conhecida por seu estilo único e por fazer brincadeiras nas letras, não deixou a maconha de fora das suas canções.

O repertório da banda já foi até definido como ”rock cômico”, e ”Sábado de Sol” traz uma letra bem humorada sobre a ganja:

”Sábado de sol / Aluguei um caminhão / Pra levar a galera / Pra comer feijão / Chegando lá, mas que vergonha / Só tinha maconha / Os maconheiros tava doidão / Querendo meu feijão”. 

6. Sintoniza Lá (BNegão e os Seletores de Frequência)

Além da canção, ”Sintoniza Lá” deu nome ao álbum lançado em 2012 pelo grupo, que traz ritmos cheios de groove, misturando reggae, ska, rock, dub… 

A música ”Sintoniza lá” fez a cabeça de muitos brasileiros com a batida marcante e a letra que fala – entre outras coisas – sobre a maconha: ”Bota as ervas pra queimar / Bota as ervas pra queimar / Pra defumar o ambiente”.

7. The Next Episode (Dr.Dre feat. Snoop Dogg, Kurupt e Nate Dogg)

”The Next episode” é um clássico da cultura canábica. Uma das batidas mais famosas do rap vem acompanhada do famoso verso ”Smoke weed every day!”

É inegável que essa parceria de Dr. Dre com Snopp Dogg, Kurupt e Nate Dogg fez história (e até ganhou uma versão brasileira, cantada por Mr. Catra).

8. Legalize it (Peter Tosh)

Talvez este seja um dos grandes hinos da cultura canábica. Lançada em 1976, ”Legalize It” ainda faz a cabeça não só de canabistas, mas de qualquer apreciador do reggae.

A famosa batida da canção (perfeita para fazer fumaça, a propósito) vem acompanhada do emblemático refrão ”Legalize it / don’t criticize it”. 

Além de sair em defesa da legalização, a música ainda canta sobre os benefícios da planta. A composição ganhou diversas versões por artistas do mundo todo.

9. Kaya (Bob Marley)

Impossível falar de músicas marcantes sobre maconha e não mencionar Bob Marley. 

Considerado o rei do reggae, Bob Marley tem várias canções que fazem referência à planta. Kaya é uma delas e até ganhou uma versão brasileira cantada por Gilberto Gil (Kaya N’Gan Daya).

Bob Marley explicou em entrevistas que ”Kaya” é uma gíria da Jamaica para a erva. E a letra da música que leva esse nome deixa bem claro: ”Got to have kaya now […] / I feel so high, I even touch the sky”. 

10. Smoke Two Joints (Sublime)

A música, que conta com um som de um bong sendo aceso, também marcou gerações. 

”Smoke two joints” é uma das canções mais famosas da banda Sublime e fez história com o refrão: ” I smoke two joints in the morning / I smoke two joints at night / I smoke two joints in the afternoon / It makes me feel all right. […]. I smoke two joints before I smoke two joints / And then I smoke two more”. 

10. Sweet Leaf (Black Sabbath)

Lançada em 1971, Sweet Leaf começa com o guitarrista da banda tossindo. O próprio Tommy Iommi afirmou que o som foi captado quando ele deu uma boa tragada em um baseado e acabou tossindo com a fumaça. 

E, claro, a música é toda dedicada à maconha. Alguns trechos trazem uma clara declaração da banda à planta: ”I love you sweet leaf […] / You gave to me a new belief / And soon the world will love you sweet leaf”. 

A letra ainda fala sobre como as pessoas conservadoras tentam acabar com a cannabis, mas a banda convida todos a provarem ”Come on now, try it out!”.

12. “Rainy Day Women #12 & 35” (Bob Dylan)

A faixa de abertura do álbum ”Blonde on Blonde” conquistou os entusiastas da maconha. 

O poético Bob Dylan criou um hino – no auge da contracultura – para toda uma geração, pontuado pela exclamação: “Todo mundo deve ficar chapado!” no final de cada verso da música. 

O cantor negou, algumas vezes, que a música se tratasse da maconha, alegando que a composição se trata de um capítulo da Bíblia e foram os fãs que interpretaram ”stoned” como chapado (por que será, não é mesmo?).

Há quem diga que tudo não passa de uma grande ironia de Dylan. Até porque ”Rainy day woman” é uma gíria antiga para baseado. As interpretações foram ainda mais longe e apontam que 12 vezes 35 é igual a 420. 

Com todas essas perspectivas, a música se transformou em um ode à maconha. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.