O cânhamo possui em torno de 25 mil aplicações, sua fibra já se mostrou mais resistente e ecológica que a madeira, plástico e fibra de algodão, por exemplo. 

No mundo dos transportes, o cânhamo já foi utilizado em avião e até mesmo como biocombustível. Carros com cânhamo também não são exatamente uma novidade: Henry Ford já criou um protótipo de automóvel utilizando a fibra de cânhamo na década de 1940, mas o experimento teve que ser abandonado devido a proibição da maconha nos Estados Unidos.

Mas com a crescente legalização da cannabis em um maior número de estados norte-americanos e países, o cânhamo parece estar entrando no radar da indústria automobilística novamente.

O experimento de Ford

Ford acreditava que se pudesse criar carros de plástico a partir de produtos agrícolas, ele poderia criar veículos mais seguros e acessíveis. O processo também beneficiaria a agricultura.

O objetivo era criar um carro todo de plástico que fosse até 136 quilos mais leve do que os modelos de aço. Além disso, esses carros teriam até 10 vezes a resistência ao impacto do aço.

O protótipo que ele criou era mais leve, seguro e acessível do que outros veículos. Apesar de ter usado plástico na maior parte da composição do carro, ele também usou fibras de cânhamo e rami. 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Design-sem-nome-6.png
(Imagem: reprodução Car Fanatic World)

Ford também investiu na produção de combustível a partir de derivados agrícolas (dentre eles, o cânhamo), chegando a testar biocombustíveis produzidos com óleo das sementes e caule da cannabis. 

Os experimentos de Ford tiveram que ser abandonados à época, por conta da proibição, mas seu protótipo parece ter pavimentado a entrada do cânhamo na área automobilística.

Carros com cânhamo

Existem alguns automóveis que foram desenvolvidos nas últimas décadas que utilizam cânhamo na composição. 

Em 2013, a BMW apresentou o i3, um carro elétrico que utiliza cânhamo e fibra de carbono. Os relatórios sugerem que ele é 350 kg, aproximadamente (800 libras, precisamente) mais leve do que qualquer outro carro de sua classe. 

(Imagem: reprodução The Sunday Times Driving)

Outros grandes fabricantes de automóveis também seguiram o exemplo. A Porsche usou biocompósitos de cânhamo na criação de seu carro 718 Cayman GT4, por exemplo.

(Imagem: reprodução Newsroom Porsche)

A Lotus desenvolveu o Lotus Eco Elise, uma versão ecológica de automóvel feita com materiais reciclados nos revestimentos dos bancos e tapetes. O painel é fabricado com fibras de cânhamo. 

(Imagem: reprodução Motor S/A)
(Image: reprodução Motor S/A)

O executivo Bruce Dietzen deu um passo além e criou um conversível esportivo para uso pessoal feito com cânhamo, em 2016. 

O automóvel é em torno de 10 vezes mais resistente do que o aço e funciona com biocombustível de resíduos agrícolas reciclados. A ideia de Dietzen era criar um veículo neutro em carbono, e ele conseguiu!

Futuro dos automóveis?

Os carros feitos com cânhamo têm uma série de vantagens. O cânhamo é biodegradável, renovável e extremamente durável. Além disso, um carro com cânhamo produzem menos emissões de carbono do que os veículos padrão. 

Parece a alternativa perfeita para a área automobilística, mas por que ainda não vemos tantos carros feitos de cânhamo sendo comercializados?

A resposta simples para isso é: porque são muito caros para serem produzidos.

O custo de fabricação de carros de cânhamo ainda é mais caro do que seus equivalentes convencionais. Apesar dos benefícios, transformar o cânhamo para conseguir aplicá-lo em estruturas tem um alto custo, muito superior ao do aço.  

Atualmente o aço é mais barato de produzir e muito mais fácil de usar na fabricação de milhões de carros a cada ano. Por isso ainda não vemos muitos carros de cânhamo circulando por aí. 

A ideia é que a indústria automobilística comece a explorar mais o uso de cânhamo no corpo do veículo e estofamento. A criação de um carro com uso parcial de cânhamo já reduz significativamente as emissões de carbono da indústria automobilística. 

Pensando na parte ambiental, há quem defenda que os governos devem oferecer incentivos financeiros às empresas que usam o cânhamo na fabricação de automóveis. 

Mas a solução parece ser aumentar a produção e usos do cânhamo, a fim de que seus preços se reduzam, e mais modelos sejam produzidos com a fibra da cannabis. 

Esperamos que, em um futuro próximo, automóveis mais ecológicos estejam rodando pelo mundo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.