Na contramão do mundo, o Brasil continua a surpreender. Seja pela negligência nos protocolos de combate ao Covid, seja pela proporção de mortes provocadas pelo estado, o excesso de malefícios provocados por uma gestão como a atual divide opiniões ao apresentar alguns números recordes em apreensões de entorpecentes. 

Legalização e apreensões

Enquanto estados norte-americanos noticiam grandes ganhos econômicos e grande queda em 93% nas apreensões de cannabis ilegal, segundo estudo publicado na última segunda (17) na revista científica Addiction, no Brasil, a realidade é oposta. 

A legalização, acompanhada por um aumento do cultivo doméstico, reduziu também as importações ilegais do México e, mesmo frente as dificuldades em diferenciar a maconha legal da ilegal, os esforços de fiscalização e apreensão são cada vez menos urgentes, já que a sociedade como um todo se beneficia dos reflexos da legalização. 

No Brasil

Mato Grosso do Sul

Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), das cinco principais drogas apreendidas no Mato Grosso do Sul, a maconha lidera o ranking, com cerca de 103 toneladas nos dois primeiros meses do ano, contra 33 toneladas no mesmo período de 2020.

O aumento de 212% teve como fator primordial a demanda aliada a grande oferta. A área de fronteira seca do Mato Grosso do Sul com o Paraguai, permite que as organizações criminosas continuem com trabalho intenso de envio de drogas para o Brasil, através de estradas limítrofes e desvios.

Paraná

Segundo o balanço da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR) divulgado na última terça-feira (18), as polícias Civil e Militar do estado apreenderam, no primeiro trimestre de 2021, 61,7 toneladas de drogas.

Houve aumento de 148%, se comparado com o mesmo período do ano passado, quando 24,9 toneladas foram apreendidas. Entre os entorpecentes apreendidos estão maconha, com um total de 60.675 quilos apreendidos, e aumento de 162,7% em relação ao primeiro trimestre de 2020, com 23.095 quilos.

Curiosamente, as apreensões de cocaína tiveram queda de 36,23%: 782,3 quilos de cocaína foram apreendidos, sendo 444,4 quilos a menos que no comparativo com 2020, com pouco mais de 1,2 mil quilos apreendidos. Apreensões de crack também tiveram queda de 42,59%, de 590,8 quilos no ano passado, houve diminuição para 339,7 quilos neste ano.

Fica claro que o mercado ilegal apresenta diversas facetas que dificilmente serão combatidas sem que haja discussões legítimas e coerentes acerca do uso de entorpecentes, principalmente a maconha. Enquanto isso, o crime organizado continua se organizando. E a legislação brasileira caminha a passos curtos e lentos e, enquanto se distancia da legalização, abre espaço para problemas cada vez maiores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.